7.26.2016

Motolite vs Transition Bandit 29

Não, desta vez não é um comparativo :-), é apenas o registo da companhia que a Titus teve na última volta em Monsanto.

7.18.2016

Nomad e Motolite - ora agora andas tu...

...ora agora ando eu! Fds com volta nas 2, de características distintas, em locais distintos, com prazeres distintos! Bastante bom. E com praia para mitigar o calor, almoço de peixe grelhado em esplanada, enfim, um luxo de fds. Agora é limpar...e voltar à carga :-)

7.13.2016

Teste às novidades (Titus)

Domingo fui fazer voltinha em Monsanto com Mr A. para testar os novos componentes da Titus (travões e guiador).
O guiador com 720 tornou a menina um bocado "camião" e mais dificil de manusear nos singles mais técnicos e fechados. Por isso ontem já foi cortado para os 690 o que, não obstante, são mais 30mm que o Answer Protaper.
Já com os travões, e após as primeiras travagens para acamar as pastilhas, a coisa correu muito bem. Uma total compatibilidade entre as pinças Shimano e os rotores Hope, travagem boa e progressiva. Não fiz nada de muito inclinado ou longo (Monsanto não é Sintra...) por isso terá de haver teste susbsequente mas para já as primeiras impressões foram boas.

Registo de manutenção - Titus (afinações)

Cabo do travão da frente encurtado sem necessidade de sangrar.
Guiador Easton EC70 redimensionado para 690mm.
Coluna da suspensão encurtada em cerca de 1cm e remoção de espaçador.

7.10.2016

Nomad - volta 3

Aqui este blog tenta manter uma compostura linguística mas irão perdoar porque a designação adiante não foi por mim atribuída: a Nomad na volta 3 e primeira incursão no "Lucky" fez as "mamas" :-) (conjunto de pedras disposto de forma semelhante a um...enfim, a umas mamas!). A sensação foi óptima, o não ter caído ainda melhor e deu para ganhar o dia e mostrar que a escolha na bike foi boa; esta cava efectivamente uma distância para a Titus e agora é evoluir numas coisas com esta, gozar outros trilhos com a Motolite. Com o pneu captain na traseira já há segurança q.b. e agora a principal adaptação será gerir a velocidade com que se chega aos obstáculos maiores (curvas, drops, etc) já que com a frente da Nomad consegue-se maior fluidez. Mantive a opinião sobre as suas qualidades a subir (nada má para a bike que é!) e tenho agora é de me adaptar às suas capacidades.

7.08.2016

Geodésicos ou Xeodésicos - travessia 2016

O mês passado, além das novidades mecânicas, registou também a ocorrência de um périplo bem a Norte, aquém e além-fronteiras, de Chaves a Montalegre, passando por Castro Laboreiro, Pitões das Júnias e terras do Xurês. Na companhia de Mr A. foram 4 dias a desfrutar de paisagens brutais, lindas e inóspitas, com chuva, frio, nevoeiro, uns rasgos de sol, boa comida e bebida, muitas vacas, garranos, enfim, 4 excelentes dias. Não houve quedas, não houve avarias, não houve furos (houve um raio partido mas numa Mavic isso é coisa menor!). Algum cansaço sim mas também não seria um passeio de geodésicos se não tivesse mais Kms e mais altimetria que o previsto :-) (doravante já sei que o Google earth dá um valor 5-10% inferior ao real). No total foram cerca de 280 Km, 7400m de acumulado e 30h pedalando. Tal gasto energético foi compensado com umas barras energéticas, umas garrafinhas de tinto, umas postas barrosãs, umas sandes de presunto, umas imperiais e um ou outro docito.
Gostei bastante da zona e do desafio, de chegar gelado em finais de junho quando a sul a malta já estava na praia, de passar por caminhos exigentes e belos, de fazer subidas por horas e horas sem vermos vivalma. Ficam algumas fotos.












7.07.2016

Nomad - volta 2

Para a segunda volta troquei o avanço de 90 por um de 70mm, ambos de 0º graus. Inicialmente a ideia era testar um com inclinação mas a volta inicial revelou que mais inclinação tornará as subidas muito penosas. Assim encurtou-se apenas. Dei-me bem, não penalizou muito a subida e torna o "puxa" da frente um pouco mais fácil. Deverá ficar o de 70mm!
Quem não fica é aquele pneu traseiro rolante. Estava com um frente que dizia "faz" e uma traseira que diz "já foste!". Isto em piso seco não é uma boa combinação. Portanto para já leva com um Captain que lá tinha para assegurar um pouco de tracção.
Veremos agora como se comporta na volta 3.

7.05.2016

Titus - Novo visual

Arriscaria dizer que ficou ainda mais bonita :-) (para não dizer melhor!)

7.03.2016

Nomad - teste

Foi ontem o teste inicial à Nomad. A ideia era começar com calma, evitar saltos para progressivamente me adaptar. Não resultou! Ao fim de umas descidas aquilo já pedia por mais :-). Portanto foi um teste relativamente curto mas diversificado.
Mecânica- tudo a funcionar ok, nada a apontar.
Subidas - não se pode dizer que é uma excelente trepadora mas sobe muito melhor que eu estava à espera para uma bicha daquelas. Claro que ajuda um pneu mais rolante na traseira mas não obstante fiz até mais Kms que estava a contar (intervalados com uns cortes de árvores e silvas). Nas subidas mais técnicas/trialeiras não bateu com os cranks o que é bom. E os estradões fizeram-se várias vezes sem necessidade de recorrer ao prato 1.
Rolar - Nada a dizer, confortável, anda bem, precisa de um aumento de pressão no amortecedor para não bombear tanto. Não posso dizer que notei grande diferença entre VPP e FSR.
Descer - Com aqueles cursos e um Fat Albert papa tudo. E os travões XTR dão uma confiança tremenda. Não é portanto bike para "aprender" pois aquilo é máquina que faz tudo. Mas é muito divertida, bastante mesmo e mais ágil do que eu esperava. Claro que se desce mais rápido com as consequências inerentes; num percurso sinuoso e pouco técnico nota-se que é mais pesada, nas zonas mais técnicas chegamos ao final num instante!
Saltos - Fiz quase todos os que já fiz com a Stumpy e aquilo voa bem e aterra melhor. Promete!!
Ficou a faltar na volta uns ST rápidos mas para já o objectivo está conseguido; ter uma 2ª bike suficientemente distinta da Titus e optar por uma ou outra consoante o tipo de volta pretendido sem encostar uma delas. Agora tenho de testar os novos componentes da Titus :-)

7.02.2016

Santa Cruz Nomad

O pedalices saúda a nova menina cá de casa: uma Santa Cruz Nomad!
A substituta da stumpy apresenta-se com uma Fox Float 36 de160 mm, um Fox DHX, travões XTR (200mm à frente e 180 atrás), rodais Mavic SX UST, pedaleiro e pedais XT, desviador frontal XTR, traseiro SRAMX0, shifters X9, avanço Thomson, guiador Easton MonkeyLite, caixa de direcção Chris King, espigão RockShox Reverb e selim Rival130. Pas mal, hem? :-))
A fazer o contacto com o chão, presentemente, um Fat Albert na frente e um Larssen TT na rectaguarda. A estreia em Sintra foi hoje, em breve virá o relato.

7.01.2016

Shimano XT M8000 - Travões

E na senda da renovação de alguns componentes da Titus, a travagem irá doravante ser assegurada por uns XT M8000. Os Hope M4 continuam a funcionar bem, progressivos e com um poder de travagem constante em descidas prolongadas. Mas a minha evolução em descidas mais curtas/pronunciadas começava a pedir algo com mais poder imediato. Veremos como me saio com o doseamento em pisos mais escorregadios, situação em que os Hope eram/são magníficos.