8.30.2015

Férias - últimos cartuchos

E como desejado, as 2 quinzenas passadas assisitiram a uma maior actividade cíclistica. Deu para pedalar em locais novos, sózinho e em excelente companhia (Mr A, who else!) sobre as nuvens, no meio do pó, ao sol, em nevoeiro intenso, junto à praia e no campo. Houve obrigatoriamente desbaste de silvas e alguma manutenção. Muito divertimento e a reposição do peso a níveis decentes (na versão maternal "estás tão magro!"). Agora de volta à labuta!

8.18.2015

Em férias

Ciclisticamente, este mês não tem sido pródigo em novas que mereçam relato. Finda a primeira quinzena de agosto, os Km pedalados foram menos do que o desejado mas foram agradáveis. Um pouco de Sintra, um pouco de Mafra, um pouco de PNSAC, algumas coisas novas, uma boa dose de manutenção e uma nostalgia grande por um ano em que (ainda) não houve uns dias de "travessia". E digo nostalgia porque as férias contemplaram, sem bike :-(, alguns dos locais emblemáticos das referidas travessias. Piodão, rocim, vila ruiva foram locais onde este ano não pedalei mas comi, bebi, dormi, passeei, banhei, etc, etc. A Titus, além de lavagem e lubrificação, apenas precisou de um aperto/limpeza na cassete, como quem diz, vamos lá a ver se na segunda quinzena me dás mais uso. Tentarei :-)


8.03.2015

GNR (Mafra)

Costumamos ser rápidos no gatilho quando se trata de dizer mal de um serviço público, menos lestos a reconhecer quando ele é bem prestado. No passeio deste fds deparei-me com um carro capotado no meio de um trilho. Parecia roubado e atirado pela ribanceira abaixo. Uma foto, fixação das coordenadas e um email para o posto de Mafra alertando da situação. A resposta veio cerca de 24h depois dando conta do que tinha ocorrido e agradecendo o serviço cívico. Eu é que agradeço!

Melhor a memória ou o físico?

Um desenrolar de acontecimentos inesperado e, em vez de uma sintrada, a volta do fds foi em Mafra. Carreguei o gpx que queria fazer, uma volta de 50Km que já tinha feito...2 vezes! Lá fui, liguei o aparelhómetro e do ficheiro...népias! Depois de uma exasperação breve e de um maldizer da tecnologia, optei por ir à aventura e confiar na memória. Revelou-se tão boa ou melhor que o estado de forma actual. Nos 50 Km, apenas fiz uma descida "por engano", tudo o resto o cérebro mapeou lindamente. Mais um que na próxima dispensará o GPS!