6.24.2015

Trio de voltas

Desde o último post, a temperatura voltou a subir e o piso secou, dei 3 boas voltas (Monsanto, Sintra, PNSAC), cortei mais umas silvas, preguei mais umas travessas, fiz uns trilhos óptimos sem problemas, quedas ou contrariedade. Com o piso seco e mais escorregadio reduzi ligeiramente a pressão dos pneus e da suspensão pelo que a máquina agora parece um sofá. Estou rendido ao selim Gobi e começo a sentir necessidade de mudar cabos e bichas do desviador frontal.

6.15.2015

Grandes molhas

Quem me mandou contestar acções de limpeza com tempo quente e seco?! O São Pedro ouviu-me e vai de baixar temperatura e fazer desabar sobre a serra umas monumentais chuvadas que me deixaram encharcado 2 dias seguidos. No primeiro com a bike, no segundo quando fazíamos manutenção. Ao fim deste tempo todo a serra ainda me consegue surpreender :-)
Mas não dou por mal empregue o tempo. Mesmo encharcado (mas sem frio), respirar aquele ar, ver aquelas cores, manter aqueles caminhos enquanto se imaginam trajectórias, é um gosto!

6.12.2015

Volvo Ocean Race...de Brompton


A minha visão da V.O.R. foi essencialmente...de Brompton :-)

6.11.2015

Jardinagem vs abate


Durante praticamente todos os meses, os mais entusiasmados por este desporto fazem reparações e manutenções de trilhos nos locais que mais gostam. São sempre pequenas intervenções com um impacto que arriscaria classificar de globalmente neutro (vide primeira foto). Leva naturalmente a alguma degradação/erosão (negativo!) mas promove a utilização dos espaços naturais por entusiastas. A manutenção de caminhos tem benefícios para a saúde própria, para a segurança dos locais e dos próprios espaços (há uma vigilância anónima quase constante; vide casos de Mosanto e Sintra, os que conheço melhor).
Mas todos os anos há outra situação que se repete e que não consigo explicar: as acções mais intensivas de limpeza e desbaste, promovidas (supostamente) pelas entidades responsáveis (parques, autarquias, privados) ocorrem quando chega o calor! O material cortado seca (não apodrece) e aumenta imenso o potencial para ocorrência de fogos (por alguma razão as queimadas são probidas nesta altura do ano). Estas acções são necessárias? Entendo! Então porque não são feitas no Inverno? A sério que gostava de ter uma explicação que não seja incompetência ou incúria ou apenas porque nesta altura lhes saia mais barato...!


6.03.2015

PNSAC seca (mas não é uma seca! :-)

De cada vez que faz esta volta no PNSAC, a Titus acaba a volta como eu: sequinha! Aquele piso e aquele pós tem a particularidade de remover todo e qualquer resquício de lubrificação deixando-a rangente por tudo que é ponto de rotação. Depois de devidamente lavada e oleada já se encontra pronta para uma voltinha de final de tarde!

6.01.2015

Deve ser o da esquerda.....:-)

[por insistir em ter uma rígida, claro :-) ]

Geodésicos no PNSAC - G'anda pedra!

3 Geodésicos, 60Km no PNSAC, 3 descidas brutais, trialeiras, subidas, pedra, pó, uma temperatura óptima, paisagens fantásticas, sopa (da pedra!), bifanas, pataniscas, cerveja, nada de avarias ou quedas. Grande dia!


PS - Curiosidade: quando no dia seguinte, já em casa, fui lavar a bicicleta, os pneus ainda cheiravam a oregãos!!