4.29.2015

Si....ntra!

A ideia neste fds era ir a outra serra mais a norte, perto de ruínas romanas e também começada por Si. Mas Non! Os infortúnios de Mr A e um tempo demasiado incerto levaram-nos a nem sequer contemplar a hipótese de apontar a Sul e a Sesi_mbra. E como a vontade (deverei dizer necessidade...?) de andar era muita, arriscámos Sintra, pesasse embora o tecto de nuvens ameaçadoras. A minha estrelinha compensou o azar de mr A e neblina foi o pior que apanhámos. Conseguimos portanto fazer uma voltinha retemperadora, libertadora mesmo!

4.27.2015

Fins de tarde

Uma das vantagens "societais" da popularidade do BTT é a utilização frequente de espaços (caminhos) que outrora eram utilizados para actividades mais marginais e problemáticas. Cheguei a passar em Monsanto por malta a injectar-se e a segurança era um problema para quem andava sózinho. Hoje em dia, podemos dar uma volta ao final da tarde, durante a semana e, quanto muito, lá me cruzo com casais em actividades mais ou menos libidinosas (os da semana passada pareciam estar em dificuldades respiratórias...). Cruzamo-nos mais frequentemente com outros ciclistas e corredores o que é tranquilizador pensando na eventualidade de uma queda em local remoto. Por tudo isto e pelo bem que sabe, as voltas de fins de tarde tem de ser mais frequentes. Assim o tempo o permita!

4.21.2015

Des-silvando e treinando

No fds deu para fazer mais uma volta, limpar mais uns ramos de árvores caídas e silvas que insistem em invadir os caminhos perante uma indiferença da maioria dos utilizadores (serei uma minoria a quem os arranhões são incómodos...?).
Já ontem, o regresso a casa foi de treino e de Diamond Back com passagem por Monsanto e a realização de 4 boas subidas.

4.17.2015

Confirmação dos testes (monsanto)

Uma volta, mesmo pequena, a meio da semana ajuda imenso a manter a forma. Especialmente se for em Monsanto com subidas curtas, mais frequentes e de maior inclinação. Confirmam-se os indícios da volta anterior.

4.13.2015

Volta de testes - Mecânico aprovado! :-)

Onde testar travagens e conforto de selim numa manhã solarenga mas fresquita? No meio dos trilhos da Serra, pois claro! A volta correu bem, deu inclusivé para umas limpezas de silvas e reparação de algumas travessas. Teve descidas suficientes para os testes e para a recriação, teve encontros com fotógrafos e com a rapaziada do enduro (que continua a preferir ter bikes mais pesadas que a minha e portanto, preferindo até mais as descidas que eu acabam a fazer...menos! :-)
Vamos aos testes:
Selim Gobi - Gostei muito. A menor largura parece encaixar melhor nos meus "sit bones" e é suficientemente confortável para não ter estranhado ausência de depressão central. Para este tipo de volta, poderia talvez ser um pouco mais curto mas a forma dele atrás revelou-se muito prática nas descidas mais íngremes.
Pastilhas de travão - Aprovadas (pelo menos em piso seco). Não notei que a travagem estivesse de alguma forma comprometida e não fazem barulho. Uma comparação mais precisa com as Hope não seria justa na volta em que se estreou um rotor novo. Veremos a sua durabilidade mas para o preço não se pode exigir muito.
Capacidade de travagem (atrás) - A substituição dos êmbolos e o sangramento correram bem. Com pastilhas e rotor novo, as primeiras travagens foram necessariamente para "acamar" mas fora isso, tudo impecável. E a manete parece agora um pouco menos esponjosa do que estava.
Com a bike a rolar sem ruídos e sem folgas, as mudanças todas afinadas e os travões a funcionarem bem, posso imodestamente dizer que o mecânico está aprovado!!

4.12.2015

Selim Fizi'K Gobi XM

As voltas com o Phenom foram ok como aqui disse mas não fizeram esquecer o Rival. Por ser um pouco menos confortável, mas principalmente por ser mais largo. No outro dia, numa troca fugaz de bike com Mr A, gostei das impressões deixadas pelo Fizi'k Gobi, selim também preferido de Mr G e Mr TP. Ou seja, na realidade, com estas "referências" o porquê de eu não ter antes equacionado este selim é capaz de ter apenas a ver com a estreita relação profissional de Mrs L com a marca do S. Surgida a oportunidade de adquirir um baratinho e enquanto a bike estava em revisão, coloquei um. A volta do fds ia portanto envolver a estreia do selim, das pastilhas, do rotor e o teste aos Hope revistos. 

Registo de manutenção - pastilhas travão (trás)

E para completar o "pacote" de revisão dos travões, foram montadas umas pastilhas da marca Alligator, um negócio excelente que encontrei na net.

4.05.2015

Rotor Hope 160mm

Ora e já que estamos numa onda de renovação do poder de travagem, não fazia muito sentido manter na gaveta este rotor novo de 160mm. O antigo (direito mas já com um desgaste visível) fica como suplente. Temos assim um sistema de travagem da roda traseira totalmente renovado.

Registo de manutenção - travões trás Hope M4 (êmbolos e óleo)




Finalmente encontrei a coragem e disponibilidade para me atirar à última tarefa mecânica que me faltava fazer na Titus (à excepção da revisão à suspensão e amortecedor). Comecei pelo travão traseiro já que 2 dos êmbolos estavam em muito mau estado. Em primeiro lugar foram removidos os 2 êmbolos do lado interno (junto à roda), depois os 2 exteriores, as tampas (com a ferramenta própria da Hope) e o óleo. Este estava preto como se vê na foto! Depois, tudo bem limpo, êmbolos novos montados, tampas recolocadas, colocação de óleo novo e sangramento. Correu tudo tão bem que até estou a estranhar....(até confirmei o procedimento com Mr G!). Agora é colocar pastilhas novas e levá-la a uma volta! 

Registo de manutenção - pastilhas travão (frente)

As pastilhas de trás estavam a dar as últimas. Por precaução, montei já novas na frente e as da frente vieram fazer 1 ou 2 voltas atrás até chegarem as novas (próxima semana).Consultado o registo aqui do pedalices, verifica-se que estas duraram menos tempo, consequência provável de voltas com mais descidas!

4.03.2015

Descer (mais) depressa



A ideia era fazer um calmo passeio de 6ªf santa. Reparar alguma coisa, fazer umas desciditas, etc. A parte da reparação foi logo no início, faz-se uma subida e...é-se desencaminhado por uma trupe de velhos conhecidos mais dados às descidas! E isto do "peer pressure" é tramado! Dei por mim a descer mais depressa do que pretendia, a arriscar um pouco mais,etc. E como nas subidas aquela malta é assim a modos que para o tranquilo, o que é que eu fiz? Subia mais depressa para fazer umas descidas extra e voltar a apnhá-los! Ou seja, foi uma volta sempre de bofes de fora! Mas com grande gozo!! :-)


4.02.2015

Manutenções e quedas

Depois de Monsanto, voltei à Serra para umas voltas com bastantes descidas e alguma manutenção. Após os ventos fortes da última semana temia que houvesse mais obstruções mas a esse nível a coisa estava tranquila. Muita folhagem no chão, pequenos ramos e pouco mais. Isto nos trilhos propriamente ditos que nalguns estradões o cenário não era tão animador. Portanto houve algumas reparações básicas, bastante pedal...e uma m**** dum pau que se enfiou na roda da frente!! Felizmente foi num final de secção e ia bastante devagar porque estas quedas "de surpresa" geralmente são as que causam maiores danos. Neste caso, o dano maior foi o susto já que a bike nada sofreu e o dono apenas uns arranhões.