11.25.2013

Espaço Monsanto (2013)

Há semelhança de 2012, tive este ano também o prazer de ser convidado para um encontro no Espaço Monsanto da CML, a propósito das celebrações do dia da floresta autóctone (dia 23 de Nov). Desta vez foi ao inicio do dia e deu para ir acompanhado pela filhota. Havia em paralelo à tertúlia promovida pela CML uma sessão de plantação de árvores e a miúda optou pela última em vez de estar ali 1h30 e ouvir o pai e outros pregarem sobre o uso sustentável de monsanto, a biodiversidade, as boas práticas e as boas maneiras. Fez muito bem e foi com os responsáveis do parque plantar um freixo, um carvalho e um sobreiro, voltando a tempo de participar na libertação de um peneireiro-real do centro de recuperação de aves do parque.
Para um parque com a pressão que tem ("imerso" na cidade), é um prazer ver a forma como se tem conseguido gerir estes 1000 hectares, espaço aberto a todos e onde até agora tem havido espaço para todos. Votos para que assim continue!

Passeios "saloios"

Não, não se trata de um post em que um eclético amante do All Mountain diz mal de algo que não se encaixe na "trend" do momento. Apenas de um relato (atrasado) de 2 voltas efectuadas na zona a que os alfacinhas denominavam de saloia e que os abastecia dos principais produtos hortícolas que necessitavam (btw, a famosa aldeia da roupa branca fica mesmo ali ao lado da venda do pinheiro). De saloia a zona já não tem muito mas por força dos terrenos de qualidade continua a ser local de intensa actividade agrícola. Subsistem caminhos e trilhos muito bons mas também estradões utilizados não apenas pelos bttistas mas pela maquinaria agrícola que os vão "moldando" em forma de W (ou UU se preferirem). E desta parte eu não gosto! Menos ainda dos paus que a roda traseira puxa para o desviador e quase nos arruinam o dito entortando de caminho o dropout. As voltas do outro fds sairam por isso um pouco mais dispendiosas que o habitual. Mas umas marteladas no dropout e uma aquisição de um desviador velho no OLX permitiram colocar a máquina novamente funcional. Bom foi ter feito alguns single que julgava fechados mas que outros amantes da mobilidade (e cá para mim organizadores de passeios...!) abriram. Em resumo, as voltas saloias continuam eficazes para acumular Kms, diversificar na paisagem e não saturar de Sintra. Mas já não tem o encanto de outros tempos.

11.06.2013

Andar num dia, manter no seguinte

Se eu tratar bem da Serra, ela trata bem de mim! Este tem sido um motto de há muito tempo e o fds passado ilustra-o bem.

No sábado foi fazer subidas e descidas escabrosas até doerem as pernas. Aproveitando um bom piso, a Titus voltou a alguns caminhos mais agrestes onde já não ia há um tempo e cumpriu na perfeição. Estas voltas sem quedas e bastante gozo desanuviam a mente que bem precisa.
No domingo foi dia de "trail day" e com mais uns entusiastas da coisa, recuperou-se um trilho com várias linhas que tinha sido parcialmente destruído por madeireiros (curiosamente um trilho inscrito na carta de desporto de Natureza do PNSC...!). Vai havendo uma consciência de que não basta usufruir, é preciso manter! E se há ainda alguns que acham ser isto tempo perdido, eu acho que é precisamente o oposto. Mesmo considerando as dores nas mãos... :-)