4.24.2012

Life Cycles (outra vez!)



Tal como o amigo MB, AKA Careca, já tinha visto pequenos fragmentos deste filme e até aqui fiz um post. Agora, descobri graças a ele a versão completa e sim, vou ter de arranjar tempo para a ver toda, porque merece, porque é sobre algo que me fascina. E porquê este fascínio? O video e as palavras do Careca explicam porquê:

"Uma destas noites, enquanto dava uma olhada na nossa página do FB, um link levou-me até ao Life Cycles. “Vou ver só 5 minutos...”. E quando fechei os olhos, já passava bem da 1 da manhã. À semelhança de outros filmes, ficamos com água na boca quando vemos o respectivo trailer pela primeira vez, mas na verdade se ele não nos vier parar às mãos de bandeja, dificilmente lhe pomos a vista em cima de novo. Confesso que nos 2 minutos que já tinha assistido deste “Life Cycles”, co-realizado por Derek Frankowski e Ryan Gibb, o que me chamou desde logo a atenção foram os efeitos visuais, mas fiquei com a sensação que o filme tinha mais para oferecer.



A narração de Graham Tracey começa por nos propor uma viagem, e somos convidados a encarar a vida como um rio que avança, trilhando o seu próprio leito. O desafio? Conseguir fluir, ou ficar para trás.


O que torna este filme tão diferente, então? O “epic riding”, com manobras tipo back flip into emergency ward? Não. O estilo dos riders é todo ele rapidez, fluidez e técnica. Durante muito tempo, a referência do capítulo “insanidade”, foi a saga New World Disorder. A receita do Derek Westerlund foi um sucesso, e teve direito a 10 capítulos. Grande destaque para riders e sponsors, música a partir, e uma predilecção pelas paisagens áridas do Utah. Este Life Cycles afasta-se completamente deste modelo. Aqui, a natureza também é o protagonista. Mas isso já nós tínhamos visto nas produções North Shore Extreme. A táctica dos canadianos era verde, muito verde, construções impossíveis de negociar, e os riders brilhavam mais pela atitude do que pelas manobras suicidas. Esta abordagem ganhou público rapidamente. Primeiro com a experiência italiana do Opachee Team, em Chlorophilla. O lema “Soul, Nature and Bikes” ditado pelas Banshee nas encostas do Gran Sasso teve depois eco nas várias declinações The Collective/Roam. A novidade aqui era a forma de produção. Com menos meios que a Matchstick Productions, responsável pela marca NWD, Romaniuk and friends provam que os big buck$$ não são necessários para obter um grande resultado. Para mim, pessoalmente, a sequência com Andrew Shandro e Dave Watson filmada em Maui, ao som de Sunday Jen, permanece como que melhor captura a essência do Freeride.


Entre o primeiro NWD (2000) e este Life Cycles decorrem mais de 10 anos de avanços tecnológicos. A produção tem agora equipamento full HD a preços acessíveis, e pela primeira vez os efeitos especiais contribuem para a narrativa. Uma cena como a que mostra o avanço das estações do ano enquanto o rider desliza pelo trilho, num mesmo take, com imagens fabulosas em slow-motion, não teria sido possível antes (a esta dimensão). Mas considero que isto é apenas tirar partido do equipamento disponível. E, lamento informar, os Costal Crew chegaram a essa conclusão primeiro.


O que há então de inédito neste filme? Andar na neve? Nops. Isso já tivemos em NSX VIII, com o Wade Simmons a negociar os trilhos de B.C. no meio de um nevão, e à noite, nem mais! Será a banda sonora? Em certo sentido, marca a diferença. A preferência pelos temas instrumentais não é novidade (já tinha sido adoptada en Chlorophilla), mas aqui a conjugação da banda sonora com a cenografia arrasa. Nada de musiquinha da moda nem ruído desnecessário. A atenção do espectador quer-se no protagonista. E acho que é aqui que reside a diferença.


No início, como disse, somos convidados para uma jornada pela vida. Mas a definição de “vida” não se restringe necessariamente aos seres humanos, nem sequer aos seres vivos. Esta viagem, o nascimento da “vida” que ora nos interessa, começa nos fogos da indústria, com ligas de metal em fundição, estufas de pintura, prensas e tornos CNC. E abandona rapidamente este ambiente industrial para poder crescer no seu meio natural. Os ciclos de vida do nosso protagonista vão evoluindo com os ciclos da natureza. E é já no fim, quando assistimos à primeira queda e pensamos “Oh, porreiro, a parte das espetas!”, que nos apercebemos do nosso erro. A sucessão de quedas existe, mas em vez de feridas e fracturas, há metal estalado e partido, e as camas dos hospitais são substituídas pela bancada do mecânico. Depois pensamos “Espera, até agora, não vi uma única cara. Só capacetes e goggles”. Não vi, nem deveria ver, porque se são precisos dois para dançar, para andar de bike também. Mas até hoje ninguém se tinha lembrado de fazer um filme épico sobre a mais fabulosa das invenções. E agora, que já percebi do que é trata este Life Cycles, tenho que ver tudo outra vez...


C"

4.12.2012

Sardinha premiada


E ao que parece a sardinha da matilha cycle crew é a vencedora do concurso das festas de Lisboa(*)

(*) pese embora alguma polémica....(vide jornal Público)

4.09.2012

XP – A estreia

Sábado fui estrear o novo capacete. Curiosamente, num dia em que a cabeça não estava nada de jeito, a precisar de uma protecção que não pode ser dada por nenhum tipo de poliestireno expandido. Mas o XP-100 não se sentiu desconsiderado e de tão leve e confortável, ajudou a passar despercebido mesmo tendo eu colocado-o justo. Pensei que me ia fazer calor mas não e até a pala ligeiramente mais longa que o MET protegeu melhor do sol. Ao fim de uns bons minutos pela serra a Titus lá convenceu a cabeça que era tempo de umas descidas e correu tudo bem. E ainda acabámos a estrear o trilho que andamos a preparar :-)
Agora só falta ver de que forma o XP consegue (ou não) fixar a GoPro e as luzes para os nocturnos!

4.02.2012

Registo de Manutenção - Pastilhas de travão roda traseira

Colocação de umas pastilhas Hope atrás e limpeza dos pistões. 2 deles estão já "mordidos" e em breve deverão também ser substituídos.

Encontra o trilho IV (e não chateio mais...)

Encontra o trilho III

Untitled from Rui Malho on Vimeo.

4.01.2012

Encontra o trilho II

Untitled from Rui Malho on Vimeo.

Encontra o trilho I

Untitled from Rui Malho on Vimeo.


Primeiro video do fds para fazer inveja a Mr LD e deixar Mr G a pensar "já não me lembro deste, quero lá voltar!" :-))