8.31.2011

Mafra2

Untitled from Rui Malho on Vimeo.

Mafra1

No passado domingo a volta juntou 3 geodésicos que há muito não pedalavam juntos. Eu próprio, Mr G e o original Mr P. O passeio não foi longo mas recheado de subidas intensas e descidas bem a condizer :-)). Destaque para uns single-tracks que ainda não conhecia e que encheram as medidas. Os videos estão em upload no vimeo e já entrarão num post próximo.

8.24.2011

Epic 29er – teste


Sábado passado, antes de sair para uma escapadinha estival, misturei trabalho com prazer e fui até Monsanto testar uma Epic 29er a pedido de Mrs L. Como até dava jeito (oportunidade de pedalar sem ter de trazer a Titus até Lx), acedi de bom grado ao pedido embora tenha começado pouco à vontade: ir fazer trilhos que já conheço de cor com a Titus numa bike muito diferente da minha… Por isso comecei por zonas mais rolantes e tinha em mente não a esticar por demais. Mas com os Kms veio a confiança e acabei a dar uma boa esfrega na 29er.
A opinião é muito semelhante aos testes que já li. Surpreendeu-me a boa capacidade a subir, é mais lenta a arrancar mas quando embala vai buscar alguma da “garra” da Epic 26. Aliás, é preciso algum cuidado em zonas sinuosas e apertadas porque não tem a agilidade da roda 26 mas se calhar até vamos mais rápido. Por outro lado, o maior diâmetro da roda “come” muito bem ocasionais zonas técnicas como raízes, buracos, pedras, etc (a Reba à frente deu conta do recado e atrás andei com o brain “aberto” aí a 2/3). Pode ser por isso uma boa opção para quem gosta essencialmente de rolar e que, tendo menos técnica, não gosta no entanto de evitar um ou outro trilho mais complicado. Mas não abusando porque o curso é curto e rapidamente se esgota em zonas mais agrestes.
Foi a primeira vez que andei com um pedaleiro 2/10 e a experiência foi curta para me convencer. Tem vantagens óbvias para quem tem bastante força de pernas mas eu rolei muito mais com o prato pequeno e na cassete só baixei do 6 no pouco asfalto que fiz. Antevejo desgastes dos pratos e cassetes (ainda) mais assimétricos do que com o sistema 3/9. Por outro lado a corrente anda menos torcida e a distância ao solo é maior. Deu para perceber que é mais do que uma simples manobra de marketing mas também não me deslumbrou.
Mau mesmo na bike testada só o pneu traseiro (Renegade) que não tem tracção para um Monsanto seco e cheio de caruma. Não apreciei os Avid Elixir (em particular a chinfrineira atrás) mas também não posso dizer que comprometeram apesar de um toque algo “esponjoso” para o meu gosto.
Esteticamente continuo a achar as 29er mais feias que as congéneres 26 porque a enorme influência da roda desproporciona o conjunto.
Em resumo, não é bike para mim mas compreendo que possa ser um conceito apelativo para muitos.


8.17.2011

Opinião palmilhas e volta em sintra

Hoje fui "matar saudades" a Sintra. Mais umas limpezas de trilhos (remoção de troncos, desbaste de silvas), umas descidas clássicas num piso óptimo (a humidade que tem estado na serra tem feito um bom trabalho!) e a Titus a portar-se lindamente. Quem se está também a portar bem são as palmilhas novas. Efectivamente fazem diferença! Em passeios como os que tenho feito (40-50 km) a diferença não é tanto a nível de performance, aí não sinto nada. Mas sinto os pés mais confortáveis, sem nunca ter aquela necessidade de mexer os dedos para activar a circulação sanguínea. E nas subidas sinto o pé a fazer força mais uniformemente. Resta agora verificar se duram o suficiente para justificar o seu custo. Espero que sim :-)

8.16.2011

Registo de Manutenção - Talas

Sim, ainda foi há pouco mais de 2 meses que a Talas foi à revisão. Mas nestes 2 meses fez cerca de 650 Km e ela já tem algum desgaste. Portanto aproveitei a proximidade da Bicimax e deixei lá a Titus durante umas horitas, o suficiente para vir com uns retentores e uns casquilhos novos (e eu com uns cobres a menos...)

8.11.2011

Férias 2


“Lentos e calmos”, em breve num cinema longe de si (filme 100% português sem emissão de gases poluentes nem passagens de caixa idiotas :-)


Férias 1

A Titus cumpre a sua quarta temporada estival no PNSAC. Muita pedra, muita pancada e ela continua a aguentar estoicamente. Poucas alterações ocorreram nos trilhos nestes anos e isso agrada-me no que à bike diz respeito. Por outro lado é também sinónimo da menor utilização que as pessoas lhes dão - menos actividades rurais numa zona que era essencialmente de pastorícia. Mas isso leva-nos para outras considerações, outras análises e para já o tempo é de férias.

8.02.2011

Palmilhas


Estas férias vamos experimentar as famosas palmilhas da Specialized. Vamos ver se são tão boas quanto dizem; melhores que as actuais dos sapatos SIDI devem ser seguramente que essas não são grande coisa!