3.31.2008

Sobe e desce


A ausência introspectiva da semana passada foi compensada no fds com muitas descidas escabrosas (e népias de quedas). Visitei uns trilhos que não fazia há algum tempo e fiquei contente por os ver transitáveis. No entanto, um ou outro, com as últimas chuvas, viram a sua topografia consideravelmente alterada (tipo enxurrada de calhaus num dos casos!). Apesar de a altimetria ter sido considerável, os percursos foram feitos exclusivamente em função das ligações para as descidas. Isto para calar algumas vozes que dizem que agora até gosto de subidas...(se eu quero descer, tenho de subir, não é?). Portanto aliei gozo a exercício o que se notou na balança: há muito que o ponteiro não baixava dos 70 :-)) (desculpa lá ML, não é provocação).
O fds serviu também para comprovar que os planos de poupança da corrente não são possiveis de cumprir. Esta semana haverá renovação na máquina.

3.28.2008

Népias de introspecção

Afinal esta semana não tive oportunidade para rodar um pouco e desopilar. Entre as ocupações profissionais e o tempo incerto, só ontem andei uns 2 minutos à porta da garagem. E foi porque a filhota insistiu em comprovar que o pai era capaz de andar naquela bicicleta grande sem rodinhas de lado! É verdade, tão pequena e já me embaraça desta maneira. Enfim, lá andei uns metros, fiz uns cavalinhos, ensaiei uns equilibrios. Ela não ficou minimamente impressionada e disse que queria ir para casa. Resta o consolo de, por enquanto, não haver ali qualquer tendência para se escavacar em 2 rodas.

3.26.2008

O que eles inventam!


Numa pesquisa fortuita descobri esta. Temos de reconhecer o espírito inventivo :-))

“You know the feeling, just when you fancy eating that banana you've been carrying around, you dig it out from the bottom of your bag to discover it looks like it has gone a few rounds with Mike Tyson.
How many times have you taken your banana to work or out on tthe trail only to find it transformed into a black inedible mess?
Only hours before your banana was perfect, now it is just fit for the bin.
How can you stop this happening to you again?
Transport your banana in a BananaGuard and never throw your banana away again.”

3.25.2008

A orientação da corrente



Parece-me que descobri o problema latente com a afinação da minha transmissão nos últimos passeios (a “clássica” desafinação com o prato 1 e 2 da cassete). Quando me substituiram o velhinho XTR pelo suplente XT montaram-me a corrente “upside out”. Isto é, a face que deveria estar virada para o interior da roda, ficou virada para fora (e consequentemente o elo rápido da Connex também ficou ao contrário; foi assim que notei). Aparentemente, as correntes deveriam ser simétricas. No entanto, se notarmos bem, existe uma assimetria funcional entre o lado que “sobe” e o lado que “desce” no que diz respeito ao contacto com a cassete. Por isso os modelos superiores (não o meu!) tem até um polimento na extremidade dos elos exteriores. De inicio, creio que não se sentirá nenhuma diferença mas quando a corrente já atingiu o desgaste máximo recomendado pelo fabricante...bem, aí é natural que a coisa já se note :-)). Claro que o devido agora seria mudar a corrente mas queria rodá-la ainda um bocado mais e ultrapassar o “Abril águas mil”.

3.24.2008

I hate (this) monday


Hoje não vai ser um bom dia. Nem é tanto por ser uma 2f a seguir a um fds prolongado. É pelas coisas chatas e desagradáveis que tenho de fazer, agruras da vidinha, proteladas até hoje para não me apoquentarem durante os dias de descanso. Ontem ao final de tarde ainda tive uma “pausa meditativa” limpando e afinando a bike com uma descoberta curiosa que merecerá um próximo post. Mas mesmo esse momento Zen não chegou para me animar muito; acho que algures na semana terei de fazer uns Kms de “introspecção” (ao estilo de Mr AP.... :-)

3.22.2008

Calçado Primavera

Para o passeio pascoal e primeiro de primavera resolvi descalçar o SmartSam da roda traseira e montar novamente o Tioga Factory. Na pandilha dos 2 últimos passeios (não a de Marvão...:-) anda tudo em baixo de forma pelo que, além de agora começar mais cedo que eles, ainda me posso permitir um pesinho extra. E claro, uma tracção acrescida bem necessária para acompanhar Mr LD nalgumas descidas.
Esta dança dos pneus (atrás porque à frente estou rendido ao Nevegal) tornou-se mais fácil após uma decisão tomada há uns meses atrás: andar sem liquido vedante no pneu traseiro se este já teve de ser remendado (ver post de 25.08.07). Desta tomada de decisão até à data decorreram cerca de oito meses e ainda não precisei de colocar câmara de ar num UST sem vedante. Talvez um misto de sorte e de evolução dos pneumáticos mas tem valido a pena; a ausência de liquido torna o processo de troca mais expedito e seco! Veremos agora quanto tempo passará até me apetecer voltar ao SmartSam. Pelo desgaste que já apresenta, a próxima vez que for montado será a última antes da sua reforma permanente (*)


(*) por acaso, já que falo nisso, não há contentores de reciclagem para borrachas; eu deixo os meus junto aos ecopontos em dias de recolha mas espero que não acabem em lixeira vulgar.

3.18.2008

Garra(s)



Uma das surpresas do ano (para mim), descoberto quase por acaso, o Pajama Day dos Claw Boys Claw. Hoje destaque para a faixa “flower

Well I am flowing - I am going
and I take it far from here
I'm going - see me flowing
and let you go my dear
Well I'm flowing - yeah I'm going
and take away your fear
I wonder why I took the shady lane

3.17.2008

Movi(e)ing


Depois de 2 fds a pedalar longe de casa, impunham-se umas voltinhas nas redondezas para confirmar que estava tudo no mesmo local. E já que os dias mais longos e o apuro de forma assim me permitem, comecei mais cedo que a restante companhia esgalhando cerca de 30 Kms adicionais (repartidos por 2 voltas). As manhãs estiveram tão bonitas que era um desperdício perder parte delas dormindo.
Parte do tempo a solo deu para treinar uns saltitos que não me satisfizeram; o corpo parece lidar bem com aquilo mas a cabeça “corta-se” em demasia (e travar ao pé do salto é o pior a fazer pois deslocamos o centro de massa exactamente para onde não é devido). Depois dei novamente uma de realizador o que tem a piada de documentar os vícios e virtudes de condução dos intervenientes mas não do próprio (pessoal, para a próxima trocamos de capacetes!). Com a vantagem dos avi’s se poderem mostrar em casa (a percepção da dificuldade e da velocidade ficam muito aquém do real : -). Aqui não os mostro para não envergonhar ninguém mas os visados já sabem onde os podem ver.

3.14.2008

O fiel amigo


Há muito tempo que lhe tinha um post prometido. Acompanha-me há cerca de 12 anos, marcou uma fase da minha vida, transportou quase todas as minhas bikes (de BTT), é adorado pela minha filhota e já teve a sua dose de mazelas (bateram-lhe, partiram-lhe um vidro, etc). O tributo ao meu bicho lindo fica aqui hoje porque encontrei no Youtube o video que os criadores lhe fizeram, com música do Nick Drake que hoje está em audição extensiva porque causa da menina do Ó (esta é uma private, vocês não entendem, sorry)

3.13.2008

A corda invisível e outras miudezas


Perguntava-me Mr AP já no cafézinho de marvão se não me tinha dado mais gozo ter feito aquelas subidas todas do que as correspondentes descidas. Não, MAIS gozo não deu. Mas reconheço que deu uma enorme sensação de “accomplishment”, galgar aqueles Kms íngremes ali colado a eles. Indiscutivelmente a parte anímica conta muito e o simples ver quem vai à frente funciona como uma corda invisível que nos impele ladeira acima (ou abaixo). Se acrescentarmos a isso a paródia que é sempre que estamos juntos e o bom tempo que estava, dá um Red Bull mental impressionante.

3.12.2008

Sale

Este é um post geral com um destinatário mais específico. Mr Sandman, constou-me que está a considerar trocar de desviador traseiro e eu vou vender o meu XT. Interessado? Em caso afirmativo dê-me uma apitadela.

3.11.2008

Fotos



E enquanto não vem as fotos ilustrativas do divino passeio, aqui fica um link para onde existem fotos muito boas - http://www.laserlab.pt/momentos/. O rapaz é amador mas tem jeito para aquilo e até eu já fui diversas vezes alvo da lente. Para vos aguçar o apetite “roubei” uma das fotos feita o ano passado na nossa ida à Estrela. Mas não se fiquem pelas fotos das bikes, para mim as outras até estão bem mais espectaculares. Enjoy!

Do the test!

http://www.dothetest.co.uk/

3.10.2008

Divino


Ontem foi divinal, como a Callas que estou a ouvir hoje. Cerca de 60 Kms e à volta de 2K de acumulado, 2 subidas a Marvão sempre em calçada, as correspondentes descidas fabulosas que nos levam a esquecer, mesmo que temporariamente, de tudo o resto. As trialeiras agrestes e belas, tal qual a paisagem, a excelente companhia sempre a puxar (já tinha saudades desta parte). O Gerês na semana passada foi um bom preparativo pois fiz tudo sem problemas físicos. Se há anos atrás me dissessem que eu iria fazer um passeio destes e acabar desta forma, já a desejar mais, eu não acreditava. O que posso considerar ser uma excelente entrada nos 41. A bike portou-se à altura e ainda “estranharam” o acréscimo de velocidade que eu passei a imprimir nalgumas descidas. Isso, reconheça-se, não é apenas fruto dos upgrades na bike mas principalmente graças aos treinos com Mr LD.
Desta vez não fui eu a levar a câmara pelo que aguardo umas fotos de Mr G e Mr AP para condimentar a coisa.

3.06.2008

Fossa nova

Ontem foi um daqueles dias de altos e baixos. Os aniversários já não tem a pica de outros tempos (e isto não é nostalgia, é apenas constatação de um estado de espírito) mas isso correu bem. Mas outros afazeres da vidinha são chatos (não matam mas moem). Ainda por cima fiquei a saber que um pedaço da “minha”, nossa, serra de Sintra ardeu. Creio que até junto a alguns dos trilhos mais lindos. É difícil entender o que se sente. Vem-me à memória o casamento de Mr G num dia de fogos enormes em Mafra. Meios a sérios, meios com os copos, lembro-me perfeitamente de, entre os da pandilha, trocarmos abraços com a lágrima ao canto do olho. Hoje, além de triste estou em ânsias para saber o que efectivamente se perdeu, ao que parece por incúria dos serviços de limpeza (caricato e paradoxal, não é? Quem está lá para tomar conta é que causa a devastação; espero que ao menos haja responsabilização).

3.05.2008

Ciclos

Até parecia mal não postar hoje, precisamente quando faz um ano (e neste caso 366 dias) sobre a minha entrada nos –entas. Um ano volvido e não há ainda queixas a registar. Mesmo assim, acho que a partir de agora vou deixar de contar. Whatever!
Mas enquanto há ciclos que permanecem bem abertos, outros parecem encerrar-se. Hoje, por força das circunstâncias, de muita pancada e muitas passagens, o velhinho desviador traseiro XTR teve de ser abatido ao serviço. 8 anos dedicados ao serviço de 4 quadros. Para já o substituto XT tomou o lugar mas acho que não é difícil imaginar uma prenda para celebrar este dia. Happy birthday to me, happy birthday to me... :-))

3.04.2008

Gerês IV - Esplendor na relva


A máquina continua a revelar-se magnífica, qual Natalie Wood contemporânea a exigir um pouco mais. E eu vou ter de me esforçar um pouco mais para o enredo ser distinto do filme. Sim, porque este fds houve locais em que a deixei mal travando o seu ímpeto galgador. Preciso de fazer mais uns trilhos atrás de Mr LD para me embalar e a deixar fluir. Veremos se no próximo passeio fazemos as pazes.

Gerês III - Os cavalinhos!


Não, não,... lá atrás,... em segundo plano :-))

3.02.2008

Gerês I - Prólogo


Ontem lá fizemos o passeio Geresiano. Cerca de 65 Km e 1800m de acumulado. Foi o sexto da organização, o meu segundo, o primeiro acompanhado. Desta vez soube melhor que em Agosto pois a companhia ajudou à diversão, o tempo estava mais ameno e o trajecto foi ligeiramente melhorado. Mas ai de quem não levasse GPS pois a organização foi, no máximo, minimalista. Nem mapas nem sinais nem guias. Do sexteto que saiu de Lisboa não houve quedas nem mazelas significativas do lado exterior. Houve umas quebras anímicas e cãibras atrozes mas desta vez tocaram a outros e eu passei incólume (preveni-me bem com a comida e hidratação). Nota de destaque para Mr D que pela primeira vez experimentou um passeio tão longo e também a dor da musculatura retesada. Outros destaques (positivos) foram o leitão na Mealhada, as paisagens e o tal “conbíbio” (animado por inúmeros planos de passeios futuros; se os faremos todos ou não isso agora não é relevante). Menos bom foi mais um pau no desviador traseiro que desafinou um bocado a transmissão; veremos se não foi desta que o velhinho XTR não é reformado. Prémio do azar caricato vai para MrLD que durante uma parte técnica teve uma cãibra que o fez largar a bike indo o pipo da roda traseira bater numa pedra quebrando de imediato. É obra! Durante a semana seguir-se-á a reportagem fotográfica com mais detalhes do passeio.