5.31.2006

Selim


Está escolhido o selim novo. Volto a decidir-me pela linha BG mas desta vez por motivos acrescidos. Além dos aspectos anatómicos de considerável importância (*), é leve, elegante, está disponível para diferentes medidas da bacia (**) e tem carris em titânio. Eu sei que o carbono é que está na moda mas desculpem lá qualquer coisinha. Eu continuo a saber de muitos componentes em carbono a partirem.

(*) "os selins BG aliviam a pressão nas artérias da zona genital, mantendo o fluxo sanguíneo normal. O design do selim inclui também uma zona especialmente acolchoada para distribuir a pressão sentida nos tecidos sensíveis da zona pélvica." Ou como já referido num fórum da especialidade “i can feel my dick after riding my bike... what more could i want?”

(**) sim, existe um “régua” específica para medir essa dimensão :- )))

5.30.2006

GAIA


Na antiga mitologia grega, Gaia era a Deusa-Terra. O seu nome foi adoptado mais tarde por James Lovelock que assim cunhou a sua teoria de que todo o planeta funciona como um organismo vivo estabelecendo um (des)equilibrio dinâmico necessário à sua sobrevivência. Gaia tem influenciado inúmeros cientistas, em particular na área da ecologia, mas como não é passível de validação experimental mantém-se apenas como isso, uma teoria. No entanto, eu quase jurava que aquele pedregulho enorme que me riscou a perna da Talas se deslocou da sua posição após eu ter iniciado a descida (*). E não tivesse eu prontamente retirado a minha perna do caminho e aquele “organismo” geológico teria ganho um pedaço de epiderme bem biológica!!!


(*) quantos não foram já vítimas do “está ali um obstáculo, tenho de me desviar......tenho de me desviar...tenho de me desviar...paffff!!!”

5.29.2006

Quentinho, hem?

Num fds tão quente foi sensatez escolher fazer a voltinha em Sintra. Pela protecção que as árvores dão e porque já lá não ia há uns tempos. Comecei bem cedo e desenhei um percurso que passasse de imediato pela subidas “à torreira” e acabasse em zonas densas e mais frescas. Mesmo assim deu para sentir bem a brasa e até as caimbras surgiram no fim (removendo qualquer putativa réstia de inveja relativamente a quem pedalou o dia quase todo lá mais para sul) . Correu-me tudo bem e ainda não ia a meio e já estava a achar que tinha feito bem em não ficar a ronhar na cama e vir pedalar, mesmo que sózinho. Gostei muito de ver vários carros de bombeiros de prevenção. Tomara que noutros locais isto seja também uma realidade. Continuo a testemunhar a minha gratidão aos carolas que consertam trilhos. E a não ter paciência para os “moranguinhos de conserva” que vão para as pistas de DH com grandes canhões mas não pescam um boi daquilo, que ficam a afinar a bike no meio do trilho e quem vier atrás que se lixe, etc, etc.
Por contigências técnicas tive de ir com um selim velhinho que tenho lá em casa porque na semana passada, numa descida mais pronunciada e com uns drops pelo meio parti um carril do Selle Italia. Deu para notar a importância da depressão central no aliviar da pressão sobre as artérias na zona da próstata (não se fica com certas zonas dormentes...). Segue-se portanto a escolha de um novo selim. Stay tuned.

5.25.2006

DEFINIR(*)

Um tema recorrente na roda de amigos aqui da coisa, é definir aquilo que mais gozo nos dá. Passeios longos rolantes, técnicos, subidas, descidas, travessias, saltos, escadas, calhau, trialeiras, o convívio, a paisagem, etc, etc.
A questão é um pouco filosófica mas a definição destes perfis ajuda a entender-nos melhor. A mais fácil é a mais abrangente (tudo!) mas pouco diz sobre nós. E serão poucos os que verdadeiramente gostam de tudo. Na mais recente investida ao tema, surgiu a melhor definição para o meu estilo, dada por Mr G: “A tua paixão pela bicicleta centra-se fundamentalmente no prazer de a conduzir enquanto máquina”. Bingo.


(*) do Lat. definire

v. tr.,
dar a definição de;explicar a significação de;demarcar a extensão ou os limites de;decidir dogmaticamente, decretar;

v. refl.,
revelar-se.

5.22.2006

Test Drive II



Este domingo fui também estrear um pedaleiro novo XT na Santa Cruz. Pesadas as opiniões dos fóruns, a relação preço-qualidade e a simplicidade do sistema acabei por escolher este em detrimento de Race Faces, Truvativs, FSAs e outros que tais. Leve, eixo integrado, rígido, baixa manutenção e esteticamente apelativo. Aqui, ao contrário do guiador notei diferença - na suavidade do pedalar. Mas isso deve-se essencialmente aos pratos novos.
O antigo XTR, já com 5 anitos cumpriu bem as suas funções. A mudança aliás nem foi tanto pelo crank. Estava velhinho mas continua óptimo. Os pratos, que começavam a dar chupões com frequência, também são facilmente substituídos. O problema é mesmo o eixo pedaleiro; o sistema mudou completamente e qualquer dia já não se encontra um M-952 dos antigos. Assim, fica o XT novo na Santa Cruz e o XTR velho passa para a Foxy que faz muito menos Kms e ficará um bocadinho mais leve. Como diria o Lavoisier se fosse um MTBer, “na segunda bike nada se compra, nada se perde, tudo se troca”.

5.21.2006

Test Drive I


No outro fds montei finalmente o meu guiador novo. Race Face Evolve XC LR. Se eu fosse um daqueles artistas-provadores, 2 passeios volvidos, fazia já aqui uma crónica cheia de adjectivos incompreensíveis sobre a qualidade do dito. Mas na realidade ele tem uma geometria muito semelhante ao seu antecessor e a bike guia-se da mesma forma. Ok, é muito mais bonito e tem mais estilo que o OnOff mas o facto é que não se notam diferenças. Fica a verdadeira (e boa) razão para a troca: o outro já tinha muitos Km e aqui mais vale prevenir que remediar.

5.18.2006

Blog à revisão

Afinal não é só as bikes, isto também precisa de assistência. Não grava, não deixa postar fotos!!

5.17.2006

Dica da Semana


Sempre gostei de saber aqueles pequenos truques, o detalhe, que poupa tempo e dá bons resultados. Na realização de experiências isso é fundamental e na maioria dos casos não figura nas publicações científicas, vai-se aprendendo pela prática. Nas bikes é semelhante. Como colocar facilmente um pneu tubeless, uns punhos no guiador, reparar uma corrente partida, etc. Por isso aqui fica a minha modesta contribuição, um auxiliar para os dias de chuva/lama ou em terrenos arenosos que cagam a transmissão toda, levam o óleo e causam chupões. Ando com uma escovinha destas (5 cm) no camelbak; em 1 minuto limpo a transmissão toda, um bocadinho de óleo e tá como nova.

5.16.2006

Por esta cidade abaixo


Este sábado foi o Lx downtown. Como eu não sou grande coisa a fotografar, tomo a liberdade de utilizar as fotos de 2 amigos para documentar o evento. Vejam que vale a pena.
http://www.photus.net/gallery/
www.laserlab.pt/pauloARKdias

PS - Para quem não sabe venceu uma Santa Cruz :-))))

5.15.2006

Em forma (?)

Este domingo, depois de umas semanas a fazer passeios duros e longos, resolvi alternar com algo mais suave, uma voltinha de 40 km ali para os lados do Lizandro. Como os dias começam cedo, às 8 pedalava-se. A temperatura estava óptima, foi sempre a abrir e como fui sózinho só parei uma vez para limpar a corrente e comer uma barrita. Prato 2 quase sempre, zero avarias. Resultado, 2h45 min volvidos tinha a voltinha terminada. Isto num percurso que já em tempos idos me pareceu duro. A conclusão lógica é que estou agora em muito melhor forma que há anos atrás. Tou como o governo: reforma? ainda falta muito !!!! :-)))))))

5.12.2006

Geometria corporal


“Já vistes os meus sapatos novos?” Esta frase é uma private joke lá pela família recordando os tempos em que pai, mano e mana liam os Tio Patinhas (que não usava sapatos mas polainas).
Mas estes são os meus sapatos novos da linha BG (body geometry) que se seguem a outros BG porque não só são giros como são óptimos. E porque assumidamente eu gosto da tecnologia que está por trás dos equipamentos, sugiro irem aqui: BG. Mesmo para quem não goste de bikes, vale a pena.

PS – noto que ando gradualmente a mudar a cor do meu outfit para tons escuros (preto/cinza) substituindo o vermelho. Isto deve ter algum significado !!!
PS1 – estes também foram mais dispendiosos que os sapatos do meu casamento. Mas caramba, estes utilizo-os todas as semanas :-))))

5.10.2006

Parabéns


Lembrei-me agora de ver datas e parece que este blog fez ontem um anito. Tal como costumo fazê-lo aos meus amigos, aqui ficam os parabéns atrasados.

5.08.2006

Eppur, si resistere!

Há cerca de 373 anos, Galileu desafiava a Inquisição com a sua teoria do Heliocentrismo. Agora é a Santa Cruz que parece desafiar as leis da Física ao resistir incólume aos tratos de polé que sofreu (e sofre) às minhas mãos e às pedras das calçadas medievais, romanas e outras. Este ano, mais uma vez, levei-a para perto das hordas bárbaras mas mantive-me fiel à minha meca e aí teci preces para não nos desconjuntarmos, eu e ela. Um disco de travão desapertado foi a única coisa de que ela se queixou. Até o 5th element deixou de fazer barulho e agora dali só sairá quando estiver mesmo a entregar a alma ao criador. Definitivamente não me agradam as multidões, as maratonas, muito menos junto a locais de culto.

5.02.2006

Voyeurismo Acidentado

Afinal até é possível passar um excelente fim-de-semana alargado sem levar a bike atrás. Mesmo quando isso acontece junto a terrenos convidativos e com um tempo fenomenal. Foram 3 dias sem sequer sentir aquela urgência de pedalar, tão bons e descansados eles foram.
Mas é claro, isso não invalidou que o olhar fugisse bastas vezes para descidas mais ou menos inclinadas, socalcos mais ou menos pedrogosos, que percursos imaginários não fossem traçados. Por vezes não evitando mesmo a verbalização de um "olha aquela...!!!!"